sábado, 31 de março de 2012

Jesus Cristo mudou meu viver (Grupo Som Maior)

Jesus Cristo mudou meu viver!
Jesus Cristo mudou meu viver!
É a Luz que ilumina meu ser
Sim, Jesus Cristo mudou meu viver!

Diferente hoje é o meu coração!
Diferente hoje é o meu coração!
Cristo deu-me paz e perdão
Sim, diferente hoje é o meu coração!

O amor só conhecia em canções
Que falavam de ilusões
Mas tudo agora é diferente
Cristo fala a toda a gente
Pois Cristo deu-me o Seu Amor!

domingo, 25 de março de 2012

Abraça-me (David Quinlan e Heloisa Rosa)

Quero ser como criança
Te amar pelo que és
Voltar à inocência
E acreditar em Ti!

Mas às vezes sou levado
pela vontade de crescer
Torno-me independente
E deixo de simplesmente crer!

Não posso viver longe do Teu amor, Senhor!
Não posso viver longe do Teu afago, Senhor!
Não posso viver longe do Teu abraço, Senhor!

Abraça-me! Abraça-me!
Abraça-me,
Com Teus braços de amor!

domingo, 18 de março de 2012

Enquanto eu calei (Milad)

Enquanto eu calei
O meu pecado
Envelheci, eu sei,
De tão cansado

Porque a tua mão
Pesava sobre mim
E o meu vigor
Chegou ao fim
O meu pecado então
Eu não mais ocultei
Do meu Senhor e Rei

Assim eu confessei
O meu pecado
E pelo sangue de Jesus
Eu fui lavado!

Porque a tua mão
Pesava sobre mim
E o meu vigor
Chegou ao fim
O meu pecado então
Eu não mais ocultei
Do meu Senhor e Rei

domingo, 11 de março de 2012

Entre nós outra vez (Sérgio Lopes)

Foi tão triste ver no Teu olhar
A dor que ali sentias,
Como troca por tão grande amor
Te cravaram numa cruz!
Ninguém mais poderia, além de Ti
Perdoar os meus pecados
Com autoridade garantir
Vida eterna e paz!

Mas a cruz não conseguiu vencer
O Autor da minha vida!
Aleluia Cristo reviveu,
Entre nós vive outra vez!
Novamente eu posso adorar
Em Espírito e em Verdade!
Declarar de novo meu amor
À Jesus meu Rei, meu Salvador!

sábado, 3 de março de 2012

Como ninguém me conheces (Eduardo Mano)

Tu que controlas os ventos e os mares
Contens o furor da pior tempestade
comandas o sol e o calor que fornece
Como ninguém me conheces

Sondas e vês pensamentos tão tolos
Palavras tão feias e desalinhadas
Tu que és a fonte de toda a beleza
Habitas em meio à pobreza

Meu coração não é digno de Ti
Mas aqui viestes morar
Só por graça algo assim pode ser
Alguém morto tornar a viver

Tu que concedes conforto ao aflito
Dás força ao cansado e alívio ao contrito
tu que me amaste e a vida me deste
Como ninguém me conheces